quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

A mãe da mãe do meu avô materno ...: uma genealogia matrilinear


A mãe da mãe de meu avô materno...: uma genealogia matrilinear

Autoria de
Diego de Leão Pufal

[dúvidas, acréscimos e correções, escreva para
diegopufal@gmail.com]

[Esta publicação pode ser utilizada pelo(a) interessado(a), desde que citada a fonte: PUFAL, Diego de Leão. A mãe da mãe de meu avô materno ...: uma genealogia matrilinear, in blog Antigualhas, histórias e genealogia, disponível em http://pufal.blogspot.com.br/]

[publicado em 31/01/2018]

***
Dando seguimento à publicação anterior, em que veiculei a minha genealogia matrilinear, hoje abordo a linha ancestral feminina de meu avô materno.
Curiosamente ou não, a origem matrilinear de meus avós maternos – o que foi possível apurar por meio da documentação – é a mesma: ilha do Faial, Açores, Portugal. Os sobrenomes relacionados em ambas genealogias indicam por certo que eram todos aparentados, embora não tenha conseguido encontrar a ligação, pela ausência dos documentos mais antigos.
Não há como deixar de registrar a importância de desbravar a linha materna de cada um, como forma de resgatar os sobrenomes de cada antepassada, pois se perdem, em regra, a cada casamento. Além disso, a pesquisa genealógica por varonia é geralmente óbvia, considerando que o sobrenome que levamos se repete por gerações, com algumas exceções, como é o caso de muitas famílias lusitanas.
Nesse sentido, consegui retroceder 14 gerações, contando com a minha, descobrindo sobrenomes familiares que uma pesquisa patrilinear jamais revelaria, além de parentescos inesperados. Do mesmo modo, embora para alguns leigos em genealogia, ainda que eu não leve estes sobrenomes em meu nome, não deixo de pertencer às famílias respectivas das minhas antepassadas.
Assim que, como resgate histórico genealógico, abordo a linha matrilinear de meu avô materno:

1. AURÉLIA ALBERNAZ(S) ou ALVERNAZ(S), nascida cerca de 1620 em Pedro Miguel, na ilha do Faial, Açores e já falecida a 27/07/1659, quando do casamento do filho João Duarte. Aurélia casou-se com SEBASTIÃO DUARTE, nascido por volta de 1610/1620 na freguesia de Pedro Miguel, ilha do Faial, onde a 27/07/1659 também já era falecido. Este casal gerou no mínimo 4 filhos: Aurélia Alvernaz, Maria Luís, João Duarte e Francisco Alvernaz Duarte. Dentre estes, destaco:
2. AURÉLIA ALBERNAZ(S) ou ALVERNAZ(S) ou, ainda, AURÉLIA LUÍS, nascida por volta de 1640/1645 em Pedro Miguel, ilha do Faial, onde em 23/04/1703 já era falecida. Casou a 07/06/1661 no mesmo local com ANTÔNIO FURTADO DE MENDONÇA DA SILVEIRA, nascido cerca de 1640 na freguesia da Ribeirinha, ilha do Faial e falecido depois de 1703, filho de Manuel da Silveira Goulart e Francisca de Medeiros, cujos ancestrais não consegui descobrir. O casal gerou no mínimo 5 filhos: um com nome ilegível, Domingos, Antônio, Bárbara e:
3. MARIA PEREIRA DA SILVEIRA, batizada a 25/10/1673 em Pedro Miguel, ilha do Faial, onde faleceu a 30/09/1744, tendo sido seu corpo foi envolvo em hábito de São Francisco e "acompanhado com o colegio, cruzes e pendoens de todos desta Igreja excepto a crus de São Pedro esta enterrada entre as grades para a parte do Sul, seo marido lhe mandou fazer hú [um] officio de corpo prezente e lhe mandou dizer quarenta missas ...” (sic). Casou na igreja de N. Sra. da Ajuda da mesma freguesia a 23/04/1703 com AMARO GONÇALVES, ali batizado a 08/08/1682 e falecido a 20/04/1767, com cerca de 85 anos, viúvo, sem os sacramentos "por ser sua morte inesperada foi seu corpo acompanhado a sepultura com o nosso Collegeo todas as cruzes e Pendoez, era Irmão dos quarente e outo do Santíssimo. Sacramento e das Almas", tendo sido seu corpo sepultado no corredor da igreja da parte do sul, abaixo da grade. Não fez testamento "nem tinha de que o fazer", sua filha Mécia Rosa lhe mandou celebrar as missas "que coubera na sua pobresa" (sic). Amaro foi filho de Mateus Alvernaz(s)/Albernaz(s) e Isabel Gonçalves, neto paterno de Antônio Alvernaz e Maria da Terra, naturais e moradores que foram de Pedro Miguel, e neto materno de Amaro Gonçalves, de quem tomou o nome, e de Maria Rodrigues, naturais da freguesia das Bandeiras, da ilha do Pico. Maria e Amaro tiveram ao menos cinco filhos: Teresa de Jesus, Mécia Rosa, Antônio, Mateus e:
4. FRANCISCA DA TRINDADE, nascida por volta de 1708 em Pedro Miguel, ilha do Faial, onde faleceu a 18/09/1746, com 38 anos “pouco mais ou menos”, tendo sido sepultada no interior da igreja de N. Sra. da Ajuda, debaixo do tabernáculo defronte às portas travessas mais para a parte do norte. Casou no mesmo local a 24/05/1728 com JOSÉ LUÍS DE GOUVEIA, nascido por volta de 1705 na freguesia do Almoxarife, ilha do Faial, filho de José Luís de Gouveia e Ana da Rosa, nascidos respectivamente por volta de 1685/1690 na Praia do Almoxarife e na freguesia dos Flamengos. Francisca e José Luís foram pais de: Raimundo, Teresa Inácia da Trindade, Jorge da Terra, Raimundo, Francisco, Francisco e:
5. ANA DA TRINDADE, batizada a 17/12/1732 em Pedro Miguel, ilha do Faial, onde faleceu a 27/07/1797, sem testamento, sendo seu corpo envolvo em hábito de N. Sra. do Carmo e sepultada no interior da igreja de N. Sra. da Ajuda. Casou no mesmo local a 04/02/1760 com JOAQUIM DE FARIA, ali nascido a 02/02/1738 e falecido a 28/03/1807, filho de Felipe de Faria e Maria Luís, nascidos em Pedro Miguel em 1703 e 1711, neto paterno de Antônio de Faria e Maria Rodrigues de Faria e neto materno de Pascoal Vieira e Maria Luís. Joaquim e Ana tiveram ao menos 4 filhos: José, José, Antônio Joaquim de Faria e:
6. TERESA DA TRINDADE, nascida a 03/04/1763 em Pedro Miguel, ilha do Faial e falecida a 31/07/1835 em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil, conforme o inventário de seus bens. Teresa emigrou para o Brasil com o marido e filhos em meados de 1800, estabelecendo-se em Porto Alegre. Casou-se em Pedro Miguel a 23/08/1789 com ANTÔNIO JOSÉ FERREIRA, nascido no mesmo local a 10/05/1763 e falecido a 17/06/1845 em Porto Alegre/RS, Brasil, filho de Antônio José (nascido por volta de 1730 na Praia do Almoxarife ou em Pedro Miguel) e de Clara Jacinta (nascida em 1739 na Praia do Almoxarife), neto paterno de Antônio Alvernaz(s)/Albernaz(s) e Maria da Luz e neto materno de Manuel Pereira e Domingas de Santo Antônio. 
Vista da cidade da Horta, na ilha do Faial.
Fotografia de Diego de Leão Pufal, tirada em 05/2016.
Teresa e Antônio tiveram os filhos: José Antônio Ferreira, Jacinto Antônio Ferreira, Antônio José Ferreira, Manuel Antônio da Silva e:
7. ANA TERESA DE JESUS, nascida a 05/06/1790 em Pedro Miguel, ilha do Faial, e falecida a 02/04/1866 em Taquari, no Rio Grande do Sul, Brasil, para onde emigrou em torno de 1800 com seus pais e irmãos. Casou a 1º/05/1811 na igreja de N. Sra. da Madre de Deus de Porto Alegre (Catedral) com ANTÔNIO INÁCIO DA COSTA, nascido por volta de 1785 em Magé/RJ e falecido a 28/04/1843 em Taquari/RS, aos 61 anos, de morte repentina e foi sepultado na igreja local, filho de João Inácio da Costa (nascido em 1756 na cidade da Horta, ilha do Faial, Açores) e de Catarina Antônia de Santa Rita ou Catarina Antônia Tomásia (nascida em 1760 na Horta, ilha do Faial), neto paterno de Antônio da Costa e Teresa da Boa Nova e neto materno de Manuel Pereira da Terra ou Manuel Pereira Galinha e de Maria Jacinta, faialenses.
O casal de Antônio e Ana conseguiu amealhar algum patrimônio durante suas vidas, como demonstram os processos de inventário de seus bens. O de Antônio foi autuado em 1866 em Taquari (APERS), depois de mais de vinte anos de sua morte, sendo inventariante a viúva, cuja partilha se deu de forma amigável entre os herdeiros. Foram arrolados oito escravos: Manuel, de 50 anos; Maria, de 50 anos, adoentada; Inácia, de 34 anos; Alexandra, de 34 anos; Lucindo, de 8 anos; Firmino, de 6 anos; Elias, de 5 anos e Constança, de 2 anos; umas terras de plantação entre a Barra do Riacho e o rio Taquari, com cerca de 147 braças de frente, à margem da estrada que seguia ao Passo do referido riacho e ao Passo Geral do mesmo rio, com fundos ao mesmo; uma pequena tira de terras em seguimento das acima ditas e um prolongamento do rio Taquari até uma sanga denominada Sanga Rosa; uma pequena casa de moradia, em mau estado, na rua que da Vila seguia para a praia, com o terreno que lhe corresponde da frente ao fundo, correspondendo mais dez palmos a leste para um portão, acompanhando os mesmos fundos; um terreno a leste na propriedade acima, com 120 palmos de frente e com fundos igual àquele e um terreno ao oeste da casa de moradia com 130 palmos de frente com os mesmos fundos do acima.
Ana Teresa de Jesus fez seu testamento aos 25/03/1866 em sua casa em Taquari/RS (APERS), para onde o tabelião se dirigiu, encontrando-a de “cama doente, porem em seu perfeito juízo e claro entendimento”, declarando que era católica, que tinha 79 anos, viúva de Antônio Inácio da Costa, de cujo matrimônio existiam três filhas vivas, por nomes Inocência, Felicidade e Felisbina. Deixou a terça de seus bens em favor das filhas Inocência e Felicidade, “pelo muito que lhes tem feito e servido, tratando-as com amor e carinho”. Após outras disposições testamentárias, as declarações foram lidas e aceitas por Ana Teresa, que por não saber ler e nem escrever, pediu a Leandro Ribeiro que assinasse a seu rogo. Depois de uma semana de seu testamento, Ana faleceu de morte natural, aos 79 anos e foi sepultada no cemitério de Taquari/RS.
Por ocasião do inventário de seus bens, autuado em 06/07/1868 também em Taquari (APERS) foram arrolados os bens seguintes: uma casa de morada com 30 palmas de frente, cozinha e um terreno com 10 palmas de frente, onde estava edificado um portão e mais benfeitorias;  um terreno pegado ao lado da casa a oeste, com 130 palmos de frente e fundos a uma sanga; um outro terreno com 120 palmos de frente e fundos a mesma sanga, cujo terreno se divide a leste com o terreno onde está edificado o portão; um terreno além do arroio do Riacho com 100 braças de frente ao Rio Taquari; um outro pegado ao mesmo acima com 113 braças de frente ao Rio Taquari, com cercado e dois escravos: Elias, de 7 anos, e Constância, com 5 anos mais ou menos.
Ana Teresa de Jesus e Antônio Inácio da Costa tiveram seis filhos: Jacinta, João Inácio da Costa, Felicidade Antônia da silva, Inocência Antônia da Silva, Eleutério da Costa e:
8. FELISBINA ANTÔNIA DA COSTA (em alguns registros consta como ALBINA ANTÔNIA DA COSTA), nascida a 28/06/1825 em Taquari/RS e falecida a 1º/03/1914 em São Leopoldo/RS, onde casou a 14/11/1865, pouco antes do falecimento de seu marido, com quem viveu durante anos, legitimando a relação tempos depois. Seu marido foi JEAN CHARLES POMPÉE DÉMOLY ou João Carlos Pompeu Demoly, nascido a 23/10/1807 em Ile d´Yeu, Vendée, Pays de la Loire, França, e falecido a 24/06/1866 em Porto Alegre/RS, filho de Jean Démoly e Marie Rose Aurore Moizeau. Sobre este meu antepassado francês, Jean Charles, já escrevi dois artigos sobre sua vida e obras, tendo disponibilizado parte do primeiro neste blog, o qual pode ser consultado em http://pufal.blogspot.com.br/2008/08/jean-charles-pompe-demoly-e-sua.html. O casal teve quatro filhos: João Carlos Pompeu Demoly, Maria Isabel Demoly, Rosa Demoly e:
9. MARIA ESTELA DEMOLY, nascida cerca de 1860/1861 em São Leopoldo/RS e falecida a 1º/05/1920 em Porto Alegre/RS. Casou a 19/01/1878 em São Leopoldo/RS com ZEFERINO COELHO NETTO, nascido a 20/04/1842 em Alegrete/RS e falecido a 25/12/1885 em Porto Alegre/RS, filho do capitão Zeferino Coelho Netto e de Cândida Francisca Pereira. Zeferino, marido de Maria Estela, foi escrivão de órfãos e ausentes de São Leopoldo e teve, deste seu casamento (pois foi casado outras duas vezes), sete filhos: Alcides, Almerinda, João, Ermelina, Zeferina, Diamantina e:
10. CAMILLA COELHO NETTO, nascida a 15/07/1884 em São Leopoldo/RS e falecida a 17/04/1902 em Porto Alegre/RS. Teve uma única filha com ERNESTO DE SOUZA LEAL FILHO ou ERNESTO DE SOUZA LEAL DE OLIVEIRA, nascido a 15/09/1863 em Osório/RS, filho de Ernesto de Souza Leal, de quem também já tratei no blog: http://pufal.blogspot.com.br/2008/08/ernesto-de-souza-leal.html, e Felisberta Antônia Inácia de Oliveira. De Camilla e Ernesto nasceu:
11. JENNY COELHO NETTO, nascida a 11/07/1901 em São Leopoldo/RS e falecida a 03/04/1984 em Porto Alegre/RS, onde casou a 18/12/1920 com FLORIANO ANTÔNIO DE LEÃO, nascido a 05/08/1899 em Porto Alegre, onde também faleceu a 26/10/1974, filho de Gasparino Antônio de Leão e Leocádia de Almeida da Soledade. Pais de:
12. N. A. DE LEÃO, nascido em Porto Alegre, onde casou com M. L. BRASIL, com quem teve dois filhos, dentre eles:
13. D. B. DE LEÃO nascida em Porto Alegre, onde casou com H. L. S. PUFAL, com quem teve quatro filhos, dentre eles:
14. DIEGO DE LEÃO PUFAL.

***
FONTES DE PESQUISA:

-  Arquivo Histórico da Cúria Metropolitana de Porto Alegre (AHCMPA): livros de batismos, casamentos e óbitos de Porto Alegre, São Leopoldo e Taquari e arquivo do genealogista Jorge Godofredo Felizardo.

- Arquivo pessoal de Diego de Leão Pufal, Helder Oliveira e João Simões Lopes Filho.

- Arquivo Público do Estado do Rio Grande do Sul (APERS): processos de inventários, livros de tabelionatos e registros paroquiais de Taquari e Porto Alegre.

- Centro de Conhecimento dos Açores – disponível em http://www.culturacores.azores.gov.pt/default.aspx

- CITCEM – Centro de Investigação Transdisciplinar. Cultura, espaço e memória. Grupo de história das Populações. Disponível em http://www.ghp.ics.uminho.pt/software.html

quarta-feira, 27 de dezembro de 2017

A mãe da mãe de minha mãe ...: uma genealogia matrilinear

A mãe da mãe de minha mãe ...: uma genealogia matrilinear

Autoria de
Diego de Leão Pufal

[dúvidas, acréscimos e correções, escreva para
diegopufal@gmail.com]

[Esta publicação pode ser utilizada pelo(a) interessado(a), desde que citada a fonte: PUFAL, Diego de Leão. A mãe da mãe de minha mãe ...: uma genealogia matrilinear, in blog Antigualhas, histórias e genealogia, disponível em http://pufal.blogspot.com.br/]

[publicado em 27/12/2017]

***
De acordo com Aurélio Buarque de Holanda Ferreira[1] o vocábulo matrilinear é “relativo aos parentes por linha exclusivamente feminina” ou “relativo a descendência por linha materna”. Assim, a linha matrilinear refere-se à pesquisa da linhagem da família da mãe da pessoa investigada, buscando-se sempre o ramo da mãe da mãe (avó), da mãe da avó (bisavó) e assim por diante.
Antes dos testes de DNA, a genealogia matrilinear era tida como a mais acertada e genuína, justamente porque a maternidade não se presume, o mesmo não se podendo dizer com relação à paternidade. Nesse sentido é corrente a existência de filhos fora do casamento, por exemplo, cujo verdadeiro pai somente foi (ou é) revelado anos após o nascimento da criança, quando o foi (ou é), ou cujo pai é desconhecido, afora outras variadas situações. Por outro lado, ainda que em algumas pesquisas realizadas o nome da mãe apareça como “incógnito”, mas de pai conhecido, via de regra o motivo é bastante lógico: esconder a maternidade, muitas vezes revelada ao longo das gerações seguintes.
No caso da minha genealogia matrilinear, consegui, contando comigo, retroceder a doze gerações. Infelizmente não foi possível prosseguir além disto, que remonta aproximadamente a década de 1670, por não existirem alguns registros eclesiásticos da ilha do Faial, que integra o Arquipélago dos Açores, em Portugal.
Desta pesquisa, contudo, há vários destaques, como o retroceder na história familiar cerca de 350 anos até os dias de hoje, além de saber que estas ancestrais fizeram parte das primeiras levas da imigração açoriana para o Rio Grande do Sul, no século XVIII. Já em solo gaúcho, a exemplo de outros ilhéus, estas mulheres percorreram e se movimentaram por um vasto território, com a peculiaridade de que, como até os dias atuais, perderam o sobrenome paterno.
Justamente por isto, ou seja, pelo não conhecimento e esquecimento a que famílias pertenceram estas mulheres, julgo ser de suma importância que se busque saber sobre estas linhas. Enquanto levamos o sobrenome paterno às gerações seguintes, os apelidos maternos acabam por cair no esquecimento, por onde se perde sem dúvida grande parte da história familiar.
Assim que, como resgate histórico genealógico, veiculo hoje a minha genealogia matrilinear:

1. MARIA LUÍS, nascida cerca de 1670 na cidade da Horta, na ilha do Faial, Açores, e já falecida em 31/08/1705, quando seu marido casou-se em segundas núpcias. Maria viveu nos arredores da igreja de N. Sra. da Conceição, na Horta, como constam nos registros de casamento de seus filhos. Embora não tenha encontrado elementos que confirmem a hipótese, é possível que seu viúvo tenha se casado com a cunhada Catarina Luís. Se acertada esta hipótese, Maria seria a mesma nascida a 20/08/1673 na Horta, batizada na igreja de N. Sra. das  Angústias, filha de Manuel Luís e Maria de Azevedo. Maria Luís casou-se em meados de 1690, talvez na Horta (Conceição), com ANTÔNIO DE GOUVEIA, ali nascido cerca de 1660 e já falecido em 09/11/1718. Antônio casou-se a segunda vez, a 31/08/1705 na igreja de N. Sra. das Angústias, na Horta, com Catarina Luís, ali nascida a 18/06/1679, filha de Manuel Luís e Maria de Azevedo. Maria e Antônio foram pais, além de outros, de:
2. MARIA LUÍS, nascida cerca de 1696 na cidade da Horta, na ilha do Faial e falecida a 08/12/1746 na freguesia de Pedro Miguel, na mesma ilha, com cinquenta anos “pouco mais ou menos”, viúva, recebeu os divinos sacramentos, tendo sido sepultada no adro da parte do norte da igreja local e não fez testamento por ser pobre. Casou-se a 15/08/1710 na freguesia de Pedro Miguel com ANTÔNIO ALVERNAS (ou Alvernaz ou Albernaz/s), ali nascido cerca de 1692 e onde faleceu a 08/01/1742 com 50 anos mais ou menos, sem testamento por ser pobre, foi sepultado junto a pia de água benta na igreja local. Antônio Alvernas foi casado em primeiras núpcias com Helena Silveira, falecida por volta de 12/07/1710 em Pedro Miguel, pois foi achada morta “no mar, onde avia caído a uns coatro dias” (sic). Pela idade de Antônio, acredito tenha ele casado em 1710 com Helena, cujo registro, porém, não foi encontrado a fim de prosseguir em sua linha ascendente. Em Pedro Miguel houve outros dois Antônio Alvernas[2],[3] com os quais não encontrei o parentesco. Além disso, o sobrenome Alvernas e variantes é corrente na ilha do Faial, de cuja família descendo por inúmeras vezes, sem, contudo, encontrar a ligação entre os respectivos antepassados, pela falta de registros. Maria Luís e Antônio Alvernas foram pais, afora outros, de:
3. INÊS FRANCISCA, nascida 16/02/1730 na freguesia de Pedro Miguel, onde foi batizada a 21 do mesmo mês, tomando o nome da madrinha Ignes de Santo Antônio. Inês emigrou para o Brasil na segunda metade da década de 1750, ao que tudo indica desembarcando em Florianópolis/SC e depois migrada para Rio Grande, no Rio Grande do Sul, onde faleceu prematuramente aos 15/10/1761, com cerca de 30 anos, muito pobre. Não consegui descobrir ainda se Inês veio casada dos Açores ou se casou no Rio Grande do Sul com MANUEL DUTRA DE MEDEIROS, nascido a 07/05/1725 na freguesia de Cedros, na ilha do Faial, Açores, filho de João Pereira Machado e Maria Garcia de Mendonça de Medeiros. Inês e Manuel tiveram a filha:
4. ANA INÊS FRANCISCA, nascida a 28/10/1759 em Rio Grande, Rio Grande do Sul, Brasil, depois migrada para a região de Rio Pardo, onde a 07/05/1773 casou em primeiras núpcias com João Soares Coelho, batizado a 16/09/1753 em Viamão/RS, filho de José Coelho Machado (nascido na freguesia dos Altares, na ilha Terceira, Açores) e de Ana Micaela (nascida na freguesia de Rosais, ilha de São Jorge, Açores). Ana casou-se em segundas núpcias também em Rio Pardo/RS a 07/07/1784 com GREGÓRIO FRANCISCO DA SILVEIRA (no casamento consta como Gregório Leite Ferreira), batizado em Rio Pardo a 17/05/1761, onde também faleceu a 07/01/1821, filho de Manuel Francisco da Silveira ou Manuel da Silveira de Quadros (nascido na freguesia da Urzelina, ilha de São Jorge, Açores) e Josefa Isabel ou Josefa Francisca de São Francisco (nascida na freguesia de Pedro Miguel, ilha do Faial). Gregório e Ana tiveram 11 filhos, dentre eles:
5. INÊS FRANCISCA DA SILVEIRA, batizada a 12/08/1787 em Rio Pardo/RS e falecida a 16/07/1861 em Santa Maria/RS, com 80 anos mais ou menos. Ignes Francisca como consta da documentação estabeleceu-se com o marido e filhos em Dilermando de Aguiar, hoje município, mas à época segundo distrito de Santa Maria, onde teve terras na Porteirinha. Casou-se a 07/11/1803 em Rio Pardo/RS com VICENTE PERES DA SILVA, batizado a 26/05/1785 em Rio Pardo e falecido a 23/08/1847 em Santa Maria/RS, filho de João Peres da Silva (nascido em São José ou em Florianópolis/SC) e de Rita Lopes de Carvalho ou Rita Maria de Jesus (nascida em Rio Pardo em 1763). Foram encontrados 12 filhos de Vicente e Inês, dentre eles:
6. EUGÊNIA FRANCISCA DA SILVEIRA, batizada a 09/02/1806 em Rio Pardo/RS e falecida a 21/01/1885 em Santa Maria/RS, onde se casou a 20/01/1836 com SALVADOR DE SOUZA LEAL, batizado a 1º/11/1818 na Lapa, Paraná e falecido a 13/11/1911 em Dilermando de Aguiar/RS, filho de Luciano de Souza Leal e Escolástica Maria de Oliveira. Salvador faleceu com 96 anos (sic), de morte natural, branco, casado, capitão da Guarda Nacional e criador em Dilermando de Aguiar, onde tinha terras na Porteirinha. Eugênia e Salvador tiveram ao menos seis filhos, dentre eles:
7. BELARMINA FRANCISCA DA SILVEIRA, nascida a 02/02/1845 em Santa Maria/RS, possivelmente em Dilermando de Aguiar e falecida a 19/7/1930 no Capão da Chácara, em Dilermando, aos 86 anos, de gripe. Casou-se a 19/02/1860 em Santa Maria/RS com PLÁCIDO MARTINS ALVES, ali batizado a 28/11/1834, com mês e meio e falecido a 16/3/1923 em Dilermando de Aguiar, filho de Antônio Martins de Moraes e Maria Dias Cortes (citados neste blog em: http://pufal.blogspot.com.br/search/label/fam%C3%ADlia%20Moraes%2FMorais). Plácido foi juiz de paz e criador em Dilermando de Aguiar, deixando 15 filhos, dentre eles:
João Laureano da Silva e
Placidina Martins da Silveira 
8. PLACIDINA MARTINS DA SILVEIRA, nascida a 10/10/1877 em Dilermando de Aguiar/RS e falecida a 28/7/1921 em São Gabriel/RS. Casou-se a 05/07/1896 em Dilermando de Aguiar/RS com JOÃO LAUREANO DA SILVA, nascido a 10/05/1871 em Cacequi/RS e falecido a 23/3/1936 em Pau Fincado, São Gabriel/RS, filho de João Lauriano da Silva e Francisca Alves de Oliveira (citados neste blog em: http://pufal.blogspot.com.br/2014/03/familias-portuguesas-nas-missoes-os.html). João foi fazendeiro, criador e teve 11 filhos com Placidina, dentre eles, a minha bisavó:
9. CELINA LAUREANO DA SILVA, nascida a 05/09/1898 em Dilermando de Aguiar/RS e falecida a 18/10/1984 em Porto Alegre/RS. Casou-se a 04/09/1915 em São Gabriel/RS com seu primo terceiro MÁRIO DA SILVA BRASIL, nascido a 02/3/1889 no Rincão dos Brasil, Boca do Monte, Santa Maria/RS e falecido a 02/11/1962 em Porto Alegre, filho de José da Silva Brasil e Maria José Alves de Oliveira, tratados neste blog em inúmeras postagens. Mário foi engenheiro civil e professor catedrático da atual Universidade Federal do Estado do Rio Grande do Sul, deixando livros publicados, além de poesias que veiculo no blog com frequência. Mário e Celina tiveram 7 filhos, dentre eles minha avó:
10. M. L. BRASIL, nascida em Porto Alegre, onde casou com N. A. DE LEÃO, com quem teve dois filhos, dentre eles:
11. D. B. DE LEÃO nascida em Porto Alegre, onde casou com H. L. S. PUFAL, com quem teve quatro filhos, dentre eles:
12. DIEGO DE LEÃO PUFAL.

***
FONTES DE PESQUISA:
- Arquivo da Cúria de Santa Maria: livros de batismos, casamentos e óbitos de Santa Maria.
- Arquivo Histórico da Cúria Metropolitana de Porto Alegre: livros de batismos e casamentos de Rio Pardo; livros de batismos de Viamão.
- Arquivo pessoal de Diego de Leão Pufal, Helder Oliveira e João Simões Lopes Filho.
- Centro de Conhecimento dos Açores – disponível em http://www.culturacores.azores.gov.pt/default.aspx
- CITCEM – Centro de Investigação Transdisciplinar. Cultura, espaço e memória. Grupo de história das Populações. Disponível em http://www.ghp.ics.uminho.pt/software.html
- FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Aurélio: o dicionário da língua portuguesa. Coordenação de Marian Baird Ferreira, Margarida dos Anjos. Curitiba: Positivo ed., 2008.
- JACCOTTET, Alda M. de Moraes e MINETTI, Raquel Dominguez de. Diáspora Açoriana. Açorianos na Vila do Rio. Grande de São Pedro antes da invasão espanhola. Edição das autoras, 2002.
- LDS (igreja mórmon): livros de batismos da Lapa/PR e livros do registro civil de Dilermando de Aguiar/RS.




NOTAS:
[1] FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Aurélio: o dicionário da língua portuguesa. Coordenação de Marian Baird Ferreira, Margarida dos Anjos. Curitiba: Positivo ed., 2008, p. 331.
[2] Antônio Alvernaz, nasceu em Pedro Miguel por volta de 1680, filho de Mateus Alvernaz (n. 1658, Pedro Miguel) e Isabel Gonçalves, ali casados a 10/06/1679, neto paterno de Antônio Alvernaz (n. cerca de 1625) e Maria da Terra. Este mesmo casal Antônio Alvernaz e Maria da Terra foram pais ainda de Maria da Terra, nascida em Pedro Miguel, onde casou a 17/10/1678 com Francisco de Faria Sarmento, cujo neto, Manuel Nunes, foi padrinho de uma das filha de Antônio Alvernaz e Maria Luís. Aquele Antônio Alvernaz também foi padrinho de batismo de uma das filhas de Antônio Alvernaz e Maria Luís, surgindo a hipótese de que Antônio Alvernaz (casado com Maria Luís) talvez fosse um terceiro filho ou neto de Antônio Alvernaz e Maria da Terra.
[3] O outro Antônio Alvernaz nasceu na freguesia da Ribeirinha, ilha do Faial e foi casado com Maria Duarte, nascida em Pedro Miguel, casal que acreditava fosse o mesmo Antônio Alvernaz e Maria Luís. Porém, embora não tenha encontrado o registro de casamento deles também, abandonei a hipótese por duas razões: o sobrenome de Maria Luís não variar nos registros de batismos e casamentos dos filhos, no caso para Duarte, e os locais de referência de nascimento de cada qual, enquanto o meu antepassado Antônio Alvernaz é dito nascido em Pedro Miguel, o outro, na Ribeirinha, o mesmo se sucedendo com relação à Maria Luís, nascida na cidade da Horta, e Maria Duarte, nascida em Pedro Miguel. O casal de Antônio Alvernaz e Maria Luís teve ao menos 4 filhos emigrados para o Rio Grande do Sul: José Albernaz/Alvernaz (nascido a 18/3/1735 em Pedro Miguel); Raimundo Alvernaz (n. 1º/1/1738 em Pedro Miguel, casado em Triunfo e depois em Viamão, no Rio Grande do Sul), Josefa Maria Albernaz, nascida a 9/4/1740 em Pedro Miguel, casada com Antônio de Azevedo Saldanha, no Rio Grande do Sul) e Domingos, nascido a 8/10/1744 em Pedro Miguel).

quinta-feira, 30 de novembro de 2017

Poesias de Mário da Silva Brasil

  Poesias de Mário da Silva Brasil
 (1889-1962)

 Desde julho de 2008 venho veiculando neste blog algumas poesias e crônicas do meu bisavô Mário da Silva Brasil, as quais foram escritas em sua grande maioria na década de 1910, na cidade de Porto Alegre. Muitas delas foram publicadas nos jornais da época, já outras ficaram registradas em seu caderno.
Para que as obras de Mário da Silva Brasil não fiquem no esquecimento, disponibilizo mais uma de suas poesias, preservando a escrita da época:

A Constancia

A constancia é a firmeza de animo que persiste sobre um acto de nossa livre vontade. Assim, diz-se que um homem é constante quando elle lucta em prol de uma mesma opinião, de uma mesma causa.
Constante é o alunno, que compenetrado de seus deveres, procura sempre e cada vez mais adeantar no campo dos conhecimentos humanos.
Constante é o operario, que sem se desanimar trabalha para a sua manutenção e a de sua família.
Constante é a esposa, que em face das difficuldades do lar, nunca desampara o seu marido, tendo nos filhos a mais profunda attenção.
Constante é o mestre, que não medindo sacrificios nem encarando difficuldades, segue sempre na sagrada arena do ensinamento, na illuminação dos espiritos jovens.
Constante emfim, é todo aquelle que começando um trabalho, uma ardua tarefa, um embaraçoso encargou ou empresa difficil, continua resoluto e firme no desempenho dessas varias funcções sem nunca desanimar.
A persistencia, a paciencia, a perseverança, não são mais que uma constancia bem definida.
Dissemos que a perseverança toda cousa alcança, acho que da constancia poderiamos dizer o mesmo.
Sem ella não poderiamos tomar a hombros qualquer empreza, sem ella não suportariamos as agruras das desgraças que pesam sobre nossas cabeças s sem ella não alcançariamos a bemaventurança eterna, ideal único de quem se julga verdadeiramente christão. Portanto é a constancia um balsamo que suavisa as nossas dores e diminue as nossas penas dando-nos coragem, vida, forças e animo no que se nos mostra penoso ou eriçado de difficuldades.

Santa Maria, 14-09-1909. Publicado no Jornal O Popular.

terça-feira, 31 de outubro de 2017

Famílias Portuguesas nas Missões: os BENTO RODRIGUES

FAMÍLIAS PORTUGUESAS NAS MISSÕES
Família BENTO RODRIGUES

Autoria de Zélce Mousquer
acréscimos e edição de Diego de Leão Pufal

[dúvidas, acréscimos e correções, escreva para diegopufal@gmail.com]

[Esta publicação pode ser utilizada pelo(a) interessado(a), desde que citada a fonte: MOUSQUER, Zélce e PUFAL, Diego de Leão. Famílias Portuguesas nas Missões (Família BENTO RODRIGUES)in blog Antigualhas, histórias e genealogia, disponível em http://pufal.blogspot.com.br/] 

[publicado em 31/10/2017]
[atualizado em 05/11/2017]


***
LEGENDA: bat. = batizado(a); c/c = casado(a) com; n = nascido(a); n.m. = neto(a) materno(a); n.p.= neto(a) paterno(a). As relações F (filho), N (neto), Bn (bisneto), Tn (trineto), Qn (quarto-neto), Pn (pentaneto), têm como referência o casal base (genearca) (Filho, Neto, Bisneto).



A família BENTO RODRIGUES descende de açorianos vindos das ilhas Terceira e do Faial para o Vale do Rio Pardo, na metade do século XVIII. Neste trabalho estamos descrevendo parte da descendência de Manoel José Rodrigues, nascido em 1761 em Triunfo/RS, filho de José Rodrigues e Mariana Luísa, ambos da ilha Terceira, que foi casado com mulher Vicência Maria de Jesus, nascida em 1763 em Taquari/RS, filha de Antônio Garcia da Rosa e Ana Maria de Espínola, naturais da ilha do Faial. O casal de Manuel e Vicência foram pais no mínimo de 10 filhos. Após, Manuel casou em segundas núpcias com Maria Inácia de Jesus, com quem teve 2 filhos: Maria e Antônia, nascidas em 1837 e 1839 respectivamente.
Deter-nos-emos na genealogia do filho Bento José Rodrigues, cujos descendentes foram moradores nas Missões, onde deixaram descendência.
Destacamos que a genealogia desta família foi pesquisada pelo genealogista Giancarlo Zeni, a partir de João Bento Rodrigues, seu tetravô e filho de  Bento José Rodrigues, nos apresentando dados da família desde o século XVII, cujas informações podem ser consultadas em http://gzeni.blogspot.com.br/2008/02/ancestrais-de-joo-bento-rodrigues.html.
Filhos de Manuel José Rodrigues e Vicência Maria de Jesus:
I. MARIA ANGÉLICA RODRIGUES, n. 19/09/1780, Taquari/RS. Casou a 03.02.1804 (1x) com Antônio de Jesus Caetano, com quem teve dois filhos. Casou a 02.02.1809 (2x) com Antônio José da Costa Pacheco, com quem teve 5 filhos.
II. JOÃO RODRIGUES, n. 1º/6/1782, Taquari/RS.
III. INÁCIO JOSÉ RODRIGUES
IV. ESCOLÁSTICA MARIA DO ROSÁRIO
V. PLÁCIDO JOSÉ RODRIGUES
VI. JERÔNIMO JOSÉ RODRIGUES
VII. MARIA DA ENCARNAÇÃO RODRIGUES ou MARIA ANTÔNIA DO ROSÁRIO casou a 25.04.1803 com Antônio José de Quadros, com quem teve 2 filhos e, após, casou a 04.11.1815 com João Lopes Cardoso ou João Pereira da Silva.
VIII. JOSÉ RODRIGUES casou a 29.09.1809 com Ana Rosa de Azevedo, com quem teve 3 filhos.
IX. FRANCISCA MARIA DE JESUS RODRIGUES casou a 12.11.1813 com Manuel Rodrigues de Freitas, com quem teve 3 filhos.
X. BENTO JOSÉ RODRIGUES, nascido por volta de 1790 em Taquari/RS e fal. a 14.10.1858 em Santiago, oitavo distrito de São Borja/RS. Casou a 29.09.1809 com Brígida Maria da Conceição/de Jesus, nascida por volta de 1800 em Taquari/RS e fal. a 9.4.1870 em São Borja/RS, filha de Felipe José Antônio (n. 17.6.1762, Rio Grande/RS) e Natária Maria de Vargas (bat. 20.12.1767, Taquari/RS).
Bento e Brígida foram pais de 10 filhos:  José Bento, Manoel Bento, Silvana, Angélica, Felisberto Bento, Júlia, Bento José, Antônio José (Bento), João Bento, Fermiana (Firmiana), e Maria da Conceição (?), que seguem:
F1. JOSÉ BENTO RODRIGUES, n. 1819/1820, Taquari/RS e falecido a 06.01.1891 em Santiago do Boqueirão/RS. Possivelmente seja o mesmo casado com Flaubiana Maria da Conceição ou Flaubiana Rodrigues de Mello, n. RS e fal. 20.04.1896 em Santiago do Boqueirão. Pais de:
N1. José Bento Rodrigues Júnior, n. cerca de 1848/1850 em São Francisco de Assis, onde casou a 23/2/1869 com Manuela Maria de Jesus, ali n., filha de Silvestre Pereira da Luz e Firmiana Maria de Jesus.
N2. Leôncio José Rodrigues, n. cerca de 1848 em São Francisco de Assis, onde casou a 05/05/1868 com Bernardina Maria de Bastos, ali n., filha de Leonel Antônio de Bastos e Maria Bernarda da Conceição.
N3. Bento José Rodrigues, bat. 19/7/1849, São Borja/RS, porém em seu casamento dado como nascido no 5º distrito de São Francisco de Assis, onde casou a 4/7/1873 com Amabília de Oliveira Estivalet, n. 1º/9/1857, São Francisco, filha de Hipólito de Oliveira Estivalet e Jesuína de Oliveira Garcia.
N4. Manuel Bento Rodrigues, n. 1851 em São Francisco de Assis, onde casou a 06/09/1873 com Manuela Maria dos Santos, ali n. 1855, filha de Maria José Caetano.
N5. Antônio José Rodrigues, n. 1853 em São Francisco de Assis, onde casou a 27/06/1875 com Constância Teixeira, ali n. 1853, filha de Bento José Teixeira e Maria Teixeira das Neves.

N6. Floriana Maria da Conceição, bat. 30/04/1864, com 6 meses, em São Francisco de Assis, onde casou a 17/02/1883 com Felizardo Teixeira de Oliveira (em seu casamento e no inventário de seus pais), nascido cerca de 1860 em São Francisco de Assis, filho de Bento José Teixeira (n. cerca de 1820/1830, RS e fal. 21/03/1902 em Santiago do Boqueirão/RS, casado em 1º/08/1850 em São Borja/RS) e Maria Teixeira das Neves (bat. 03/07/1827, com 3 dias, em Taquari/RS e fal. 16/11/1899 em Santiago do Boqueirão). Pais ao menos de Antônio Rodrigues de Oliveira, bisavô do pesquisador Leandro Konstantinov Rodrigues, do Mato Grosso.
***
#Nota: Bento José Teixeira foi filho de Rafael Rodrigues Teixeira (nascido em 1778 em Castro/PR e falecido a 12/5/1861 em São Francisco de Assis/RS) e de Francisca das Chagas de Jesus (n. 1784 em Castro/PR e falecida a 02/1/1860 em São Francisco de Assis/RS), neto paterno de Antônio Rodrigues Teixeira (n. 1734 em Curitiba/PR) e Bernarda Soares de Oliveira (n. 1747 em Curitiba ou Castro/PR) e neto materno de Antônio Ferreira de Andrade (n. 1744 em MG) e de Branca Bueno de Almeida/Siqueira (n. 1753 em Curitiba/PR). Maria Teixeira das Neves, esposa de Bento, foi filha de Antônio de Souza Machado e Rosa Jacinta Pereira (vide neste blog a família Jacinto Pereira, onde foram citados).
Bento José Teixeira e Maria Teixeira das Neves, de acordo com o processo de inventário de seus bens, autuado em 1902 pelo cartório de órfãos e ausentes de Santiago do Boqueirão, cujo processo encontra-se no Arquivo Público do RS, tiveram os filhos seguintes:
a)     Maria Higina Teixeira
b)   Constantina Teixeira, fal. 02/09/1902. Casada a primeira vez com Agostinho Henrique Pereira e, a segunda, com Antônio José Rodrigues (acima citado), deixando 10 filhos: João Henrique Teixeira, com 29 anos em 1902, Vergílio José Rodrigues, com 23 anos, Vangilo ou Virilo José Rodrigues, com 21 anos, Valdomiro José Rodrigues, com 17 anos, Palmira José Rodrigues, com 15 anos, Celmira José Rodrigues, com 13 anos, Algemiro José Rodrigues, com 10 anos, Hortência José Rodrigues, com 8 anos, Manuel José Rodrigues, com 6 anos, e José Rodrigues.
c)      Rafael Teixeira de Oliveira
d)     Felizardo Teixeira de Oliveira, acima citado.
e)      José Teixeira de Oliveira.
***
F2. MANOEL BENTO RODRIGUES, n. 27/03/1823, Taquari/RS.
F3. SILVANA MARIA DA CONCEIÇÃO, bat. 03/02/1825 em Taquari/RS e fal. a 23.10.1904 em Santo Ângelo/RS. Casou com Fermiano Marques dos Santos, fal. 2.2.1885, em Santo Ângelo/RS, cujo casal foi morador no distrito missioneiro de Entre-Ijuís. Foram pais de 15 filhos: Manoel, Maria da Conceição, Maria Felícia, Francisco, Fermiana, Felipe, Fermiano, João, Antônio, Luiz Fermiano, Floriana, Virginia, Rosalino, Benta e Joana.
N1. Manoel Marques dos Santos, fal. aos 91 anos, a 9.6.1929 em Santo Ângelo/RS, onde casou a 22.1.1870 com Balbina Maria Barbosa/da Conceição, n. 1861, Santo Ângelo, onde fal. aos 54 anos, em 12.2.1912, filha natural de Joaquim Antônio Barbosa e Maria Joaquina. Pais de 7 filhos: Joaquim, João, Jorge, Fulgêncio, Idalina, Rodolfo e Firmiano.
Bn1. Joaquim Marques dos Santos n. 18.3.1873, Santo Ângelo/RS, onde casou em 1898 com sua prima Silvana Maria Barbosa, n. 1870 em Santo Ângelo/RS, filha de João Marques dos Santos e Matilde Barbosa de Lima. Os avós paternos de Silvana foram Firmiano Marques dos Santos, que faleceu a 2.2.1885, 1º distrito de Santo Ângelo/RS e Silvana Maria da conceição, falecida em 23.10.1904, Santo Ângelo/RS e seus avós maternos foram Bento Barbosa de Lima Filho e Maria Aldina dos Santos.
Bn2. João Marques Sobrinho, nasceu 19.7.1876, Santo Ângelo/RS.
Bn3. Jorge Marques dos Santos n. 18.7.1882 ou 1886. Casou em 1904, Santo Ângelo/RS, com sua prima Rosalina Barbosa de Lima, n. 1886/1887, ambos do RS e moradores no 1º distrito de Santo Ângelo/RS. Rosalina era filha de Joaquim Barbosa de Lima e Floriana Marques dos Santos.        
Bn4. Fulgêncio Marques dos Santos, n. 13.1.1883 em Santo Ângelo/RS, onde casou aos 25 anos em 1908, com Generosa Lemos dos Santos, n. 22.9.1888/1889, filha de Francisco Joaquim Lemos[1], que fal. aos 78 anos em 4.7.1911, 1º distrito de Santo Ângelo/RS e Ana Joaquina de Brum. Moradores de Santo Ângelo/RS.   
Bn5. Idalina (Maria) Marques dos Santos n. 5.1.1888, bat. 31.3.1888. Santo Ângelo/RS, onde casou em 1903 com Manoel Virgílio de Mattos, então com 23 anos, filho de Francisco Virgílio (dos Santos) Mattos e Floripa Nery de Almeida.            
Bn6. Rodolfo Marques dos Santos n. 18.8.1887. Casou em 1913 com Idalina do Prado Grass, n. 5.4.1890, filha de Christiano Grass e Veneranda do Prado, moradores no 1º distrito de Santo Ângelo. Os avós paternos de Idalina foram Carlos Frederico Grass[2] e Maria Eva Hoffmann e seus avós maternos foram Francisco do Prado e Clementina Maria dos Santos.
Bn7. Firmiano n. 19.8.1891, Santo Ângelo.
N2. Maria da Conceição/de Jesus casou aos 31 anos (?) em 5.2.1871, Santo Ângelo/RS, com Manoel Roberto Barbosa, n.  Santo Ângelo/RS, filho natural de Bárbara Ferreira Barbosa e João Braz de Almeida. Os avós maternos de Manoel foram Bento Barbosa de Lima e Matilde Ferreira da Candelária. 12 filhos: Rosalina, Izidoro, João Roberto, Lucidoro, Maria da Conceição, Hortência, Silvana, Demétrio, Juvenal, Antônio, Frutuoso e Pedro.
Bn1. Rosalina Maria Barbosa/da Conceição fal. 10.6.1925, Santo Ângelo/RS. Casou por volta de 1876, com seu tio materno Rosalino Marques Timbaúva/dos Santos n. 15.10.1869, Santo Ângelo/RS.
Bn2. Isidoro n. 9.4.1873, Santo Ângelo/RS.
Bn3. João Roberto Barbosa n. 3.11.1874, bat. 13.7.1875 em Santo Ângelo/RS, onde casou em 1897 com Lídia Mercau, n. 25.3.1876, filha de José Mercau e Maria Inácia.
Bn4. Lucidorio Machado Barbosa fal. aos 30 anos, em 19.8.1905, Santo Ângelo/RS. Casou com sua prima Roberta Barbosa de Lima, filha de Bento Barbosa de Lima Filho e Maria Aldina dos Santos. Sem filhos.
Bn5. Maria da Conceição Barbosa n. 24.3.1876 em Santo Ângelo/RS, onde casou em 1892, com Clementino Moreira Pedroso, n. no 1º distrito de Santo Ângelo/RS, filho de Joaquim Moreira Pedroso[3] e Izabel Alves de Souza.
Bn6. Hortência Barbosa casou aos 19 anos em 1896 em Santo Ângelo/RS com seu primo Militão Pedro Pinto, n. 10.11.1876, no 1º distrito de Santo Ângelo, filho de Joaquim Antônio Barbosa e Floripa Maria de Almeida.
Bn7. Silvana Roberto Barbosa n. 30.3.1879, 1º distrito de Santo Ângelo/RS, onde casou em 1897 com Joaquim Moreira Pedroso, então com 28 anos, natural de Passo Fundo/RS, filho de Joaquim Moreira Pedroso e Isabel Alves Teixeira. Morador no 1º distrito de Santo Ângelo/RS.
Bn8. Demétrio Roberto Barbosa n. 12.6.1880, bat. 15.7.1881, Santo Ângelo/RS, onde casou em 1905 com Florisbela Teixeira de Paula, n. 1º.2.1879 e bat. 2.6.1879 em Santo Ângelo/RS, filha de Joaquim Rodrigues de Paula (fal. 6.1.1880 em Santo Ângelo/RS) e Ana Teixeira de Deus (dos Anjos). Os avós paternos de Florisbela foram Ângelo Rodrigues de Paula[4] e Florisbela Maria de Jesus. Seus avós maternos foram Tristão José de Deus e Firmina Maria Teixeira. Ver neste blog a família de José Joaquim Teixeira.
Bn9. Juvenal Roberto Barbosa n. distrito missioneiro de Entre-Ijuís. Casou aos 26 anos, a 28.10.1908, com Adelaide Pereira da Luz, n. 1º.1.1888, Santo Ângelo/RS, filha de Alexandre Pereira da Luz[5] e Maria Francisca do Prado (de Jesus). Neta paterna de Silvestre Pereira da Luz natural de Santo Antônio da Patrulha e Fermiana Maria de Jesus, de Taquari/RS, e neta materna de Francisco do Prado[6] e Clementina Maria dos Santos/ Maria da Conceição. Sobre Alexandre P. da Luz ver neste blog a família de Bento Barbosa de Lima.
Bn10. Antônio Barbosa casou aos 23 anos, em 1908 em Santo Ângelo/RS com Carmelina Alves de Oliveira, então com 20 anos, filha de Félix José de Oliveira e Maria Alves de Souza, moradores no distrito missioneiro de Entre-Ijuís.    
Bn11. Frutuoso Roberto Barbosa n. 10.2.1889. Casou 1914, Santo Ângelo/RS, com Carolina de Paula Teixeira, n. 15.9.1897, filha de João de Paula Teixeira[7] e Rosalina Joaquina Lemos. Avós paternos de Carolina foram Manoel de Paula Teixeira e Maria do Carmo Sutil e seus avós maternos Francisco Joaquim Lemos e Ana Joaquina de Brum.              
Bn12. Pedro Roberto Barbosa, n. 26.12.1894, Santo Ângelo/RS.
N3. Maria Felícia da Conceição casada aos 28 anos, a 9.4.1872 em Santo Ângelo/RS com o seu primo Bento Manoel Rodrigues, então com 26 anos e fal. aos 64 anos, a 13.11.1909, Santo Ângelo/RS, filho de Manoel Bento Rodrigues, de Taquari/RS e de Manoela Angélica, de Encruzilhada/RS. 5 filhos: Antônio Manoel, José Maria, Silvana Maria, Virgínia Maria, Assunção Manoel.
Bn1. Antônio Manoel Rodrigues c/c prima Floriana Maria da Conceição.
Bn2. José Maria Rodrigues c/c Matilde Barbosa de Lima.  
Bn3. Silvana Maria Rodrigues
Bn4. Virginia Maria Rodrigues c/c Frederico Pagel.
Bn5. Assunção Manoel Rodrigues c/c Maria Barbosa de Lima.
N4. Francisco Marques dos Santos foi morador em Santa Maria/RS. Possivelmente seja o mesmo que casou a 26.1.1853 em São Borja/RS, com Silvana Maria da Conceição, sendo pais de:
Bn1. Felipe Marques dos Santos c/c Vidalina Corrêa Taborda, filha de Pedro Corrêa Taborda e Vicência Eloisa de Aguiar.    
N5. Fermiana Maria da Conceição, n. Santo Ângelo/RS, onde casou aos 22 anos, em 11.8.1872, com Urbano de Oliveira Gonçalves, então com 26 anos, natural do Paraná, filho de José Vieira de Oliveira Gonçalves e Albina.
N6. Felipe Marques dos Santos n. 15.8.1851 e fal. 1923, casou em 1.1.1891, Santo Ângelo/RS, com Maria Vidalina Corrêa Taborda, 16 anos, n. 3.9.1873, Santo Ângelo/RS e fal. 1924, filha de Pedro Corrêa Taborda e Vicência Eloisa de Jesus/de Aguiar, moradores no 1º distrito de Santo Ângelo/RS. Os avós maternos de Maria Idalina foram Maria da Luz Fontoura que fal. 21.1.1904 em Catuípe, 2º distrito de Santo Ângelo/RS, e José Manoel de Aguiar. Pais de 5 filhos: Otália, Ondina, Donatilla, Leopoldo e Amantino.
Bn1. Otália Marques dos Santos, n. 26.9.1897 em Santo Ângelo/RS, onde casou em 1918 com Eperminante Taborda de Almeida, n. 20.9.1885 no distrito missioneiro de Entre–Ijuís, filho de Joaquim Bento de Almeida e Idalina Taborda.
Bn2. Ondina Marques dos Santos n. 25.8.1900 em Santo Ângelo/RS, onde casou em 1920 com Lindolfo Batista do Amaral, viúvo de Claudina Batista dos Santos (fal. no 2º distrito de Santo Ângelo/RS no dia 15.11.1918, filha de Salvador Urbano dos Santos e Teodora Batista da Silva). Lindolfo n. 3.8.1884 no 2º distrito de Júlio de Castilhos/RS, filho de Juvêncio Batista do Amaral Silva (n. 26.1.1862 e morador em Santo Ângelo/RS) e Amélia Batista do Amaral (fal. 9.2.1907).
Bn3. Donatilla Marques dos Santos n. 26.12.1902 no distrito missioneiro de Entre-Ijuís. Casou em 1924 em Santo Ângelo/RS com Camillo Amaral, n. 15.11.1899, São Luiz Gonzaga/RS, filho de Juvêncio Amaral e Amélia Batista do Amaral, moradores no 2º distrito de Santo Ângelo/RS.
Bn4. Leopoldo Marques dos Santos n. 15.11.1909, no 1º distrito de Santo Ângelo/RS. Casou em 1929 com Senhorinha Bento de Almeida, n. 25.3.1912 no 2º distrito de Santo Ângelo/RS, filha de Hygino Bento de Almeida (n. 11.1.1888) e Herminia/Arminda Antunes de Almeida (n. 15.1.1890), moradores no 2º distrito de Santo Ângelo/RS. Os avós paternos de Senhorinha foram Joaquim Bento de Almeida e Idalina Corrêa Taborda e seus avós maternos foram Clemente Antunes dos Santos e Cândida Antunes Vieira.
Bn5. Amantino Marques dos Santos n. 26.7.1913 no 2º distrito de Santo Ângelo/RS, casou em 1931 com Zoraide da Veiga, n. 5.7.1915 no 2º distrito de Santo Ângelo/RS, filha  de Marcos da Veiga (n. 9.7.1883) e Tomazia Guedes da Veiga (n. 7.3.1882). Os avós paternos de Zoraide foram Avelino da Veiga e Rafala Mello da Veiga. Seus avós maternos foram Adolfo Guetz e Dionísia dos Santos.
N7. Fermiano Marques dos Santos n. 12.9.1860. Casou em 1890 em Santo Ângelo/RS com Maria Faustina da Silva, natural do RS e fal. 2.2.1919, filha de João Faustino de Barros[8] e Ana da Silva, moradores no 1º distrito Santo Ângelo. Pais de 6 filhos: Amantina, Morvalina, Idalina, Pompílio, Silvana e Virgília.
Bn1. Amantina Faustina da Silva, n. 30.8.1890, Santo Ângelo/RS, onde casou em 1900 com Epaminondas Gonçalves Borges, n. 2.1.1878, filho de Antão Gonçalves Borges e Leocádia Maria da Conceição.    
Bn2. Morvalina Marques dos Santos n. 22.8.1894, Santo Ângelo/RS, c/c 1912 com Tadeu Ferreira de Lima, n. 28.10.1865, filho de Pedro Nolasco Soares e Efigênia Corrêa/Fereira de Lima.
Bn3. Idalina Marques dos Santos n. 6.8.1898, Santo Ângelo/RS, onde casou 1917 com Benício Fróes, então com 26 anos, filho de João Fróes e Úrsula Gonçalves Borges.  
Bn4. Pompilio Marques dos Santos n. 3.7.1899 no 1º distrito Santo Ângelo/RS e fal. aos 32 anos a 2.9.1933, distrito missioneiro de Entre-Ijuís (ferimento por arma de fogo). Casou em 1919 em Santo Ângelo/RS com Conceição Martins do Rosário, ali n. 22.3.1902, filha de Teodoro José Martins (n.11.9.1868) e Ursulina Gonçalves Borges (n. 10.1.1875), moradores no 1º distrito de Santo Ângelo/RS. Os avós paternos de Conceição foram Joaquim dos Santos Martins/Martins dos Santos e Maria Antunes Corrêa. Seus avós maternos foram Antão Gonçalves Borges e Leocádia Maria da Conceição.
Bn5. Silvana Faustina dos Santos n. 22.10.1902, 1º distrito Santo Ângelo/RS, onde casou em 1919 com Otacílio Fermiano Teixeira n. 12/10/1892 no distrito missioneiro  de Entre-Ijuís, filho de Saturnino Teixeira de Deus (filho de Tristão José de Deus e Firmina Maria Teixeira) e Narciza Gabriela Teixeira (filha de Salvador Mariano R. Teixeira e Jonia/Jerônima Maria Rodrigues Gonçalves).
Bn6. Virgília Faustina da Silva c/c Joaquim Mariano das Chagas, filho de Emília Mariana das Chagas.                      
N8. João Marques dos Santos c/c Matilde Barbosa de Lima, fal. aos 52 anos, em 15.3.1914 no 1º distrito de Santo Ângelo/RS, filha de Bento Barbosa de Lima Filho[9]  e Maria Aldina dos Santos. Os avós paternos de Matilde foram Bento Barbosa de Lima, natural de Goiás (veja neste blog a família Barbosa Lima), e Matilde Ferreira da Candelária. Seus avós maternos foram Felisbino Eleutério dos Santos e Felisbina Moreira Barbosa. João e Matilde foram pais de 3 filhos: José, Lucídio e Silvana. João Marques dos Santos aos 49 anos, casou em 2ª núpcias em 1915, Santo Ângelo/RS, com Maria Cassiano, 17 anos, no RS e moradora em Santo Ângelo/RS, filha de Pedro Cassiano e Francisca da Silva Cassiano. Pais de:
Bn1. José Marques dos Santos n. por volta de 1879 no RS, morador no 1º distrito Santo Ângelo/RS. Casou em 1907, aos 25 anos, com Verônica Maria dos Santos, fal. a 1º.1.1911, Santo Ângelo/RS, aos 27 anos, filha de Gonçalves Ambarracino dos Santos e Esmerilda Maria dos Santos, moradores no 1º distrito Santo Ângelo/RS. Os avós paternos de Verônica foram José Elino de Ambarracino e Generosa Rodrigues. Seus avós maternos foram Manoel Valentim dos Santos e Luiza Maria dos Santos. José casou em 2ª núpcias, aos 35 anos, em 1915 com sua cunhada, Ana Maria dos Santos, n. 7.9.1893 em Santo Ângelo/RS, filha de Gonçalves Ambarracino/Albarracino dos Santos e Esmerilda.
Bn2. Lucídio Marques dos Santos fal. aos 35 anos, em 14.6.1918, Santo Ângelo/RS, foi casado com sua prima Bonifácia Barbosa de Lima[10], n. 21.3.1894 (ou 26.10.1895) em Entre-Ijuís, filha de Joaquim Barbosa de Lima e Floriana Marques dos Santos ou Floriana Maria da Conceição. Os avós paternos de Bonifácia foram Bento Barbosa de Lima (Filho) e Maria Aldina dos Santos. Seus avós maternos foram Firmiano Marques dos Santos e Silvana Maria da Conceição. Pais de seis filhos.
Bn3. Silvana Maria Barbosa n. 1º distrito Santo Ângelo/RS. Casou aos 18 anos, em 1898, com seu primo Joaquim Marques dos Santos, n. 18.3.1873, Santo Ângelo/RS, filho de Manoel Marques dos Santos (fal. aos 91 anos 9.6.1929, 1º distrito Santo Ângelo/RS) e Balbina Maria Barbosa/da Conceição (n. Santo Ângelo, onde fal. aos 54 anos, a 12.2.1912). Os avós paternos de Joaquim foram Fermiano ou Firmino Marques dos Santos e Silvana Maria da Conceição. Sua avó materna foi Maria Joaquina.
N9. Antônio Marques dos Santos n. 4. 3.1864 c/c Eugênia dos Santos, n. 8.1.1872, moradores da cidade Corrientes e de São Luiz Gonzaga/RS. Pais de:
Bn1. Genésio Domingos dos Santos, n. 30.7.1894, São Luiz Gonzaga/RS. Casou em 1923 com Leontina Ribeiro Soares, n. 19.7.1902, Santo Ângelo/RS, filha natural de Maria Ribeiro Marques, n. 12.1.1883, RS, solteira.
N10. Luís Fermiano dos Santos foi casado e residia no Povinho dos Boqueirões/Santiago.
N11. Floriana Marques dos Santos/ Floriana Maria da Conceição c/c Joaquim Barbosa de Lima, filho de Bento Barbosa de Lima (Filho) e Maria Aldina dos Santos. Pais de 8 filhos: Matilde, Rosalina, Firmiano, Bonifácia, Afonso, Maria e Rachel.
Bn1. Matilde Barbosa de Lima n. 9.9.1885 Santo Ângelo/RS, onde casou em 6.7.1904 com José Maria Rodrigues, 24 anos, natural do 1º distrito Santo Ângelo/RS, filho de Bento Manoel Rodrigues e Maria Felícia da Conceição, moradores no 1º distrito de Santo Ângelo/RS. Os avós maternos de José Maria foram Firmiano Marques dos Santos e Silvana Maria da Conceição.
Bn2. Rosalina Barbosa de Lima n. 25.5.1886, casou com seu primo Jorge Marques dos Santos, n. 18.6.1882, filho de Manuel Marques dos Santos (n. RS) e Balbina Maria da Conceição (n. RS e fal. 12.2.1912, Santo Ângelo/RS aos 54 anos).
Bn3. Firmiano Barbosa de Lima n. 19.8.1891 em Santo Ângelo/RS. Casou em 1915 com Ana Luiza Iunker, n. 9.2.1895 na Alemanha, filha de Luiz Fernandes Iunker, que foi morador em Santo Ângelo/RS e Anna Greme (fal. por volta de 1898 em Porto Alegre/RS).
Bn4. Bonifácia Barbosa de Lima n. 1893? no distrito missioneiro de Entre-Ijuís. |Casou com Lucídio Marques dos Santos (seu primo), fal. aos 35anos, a 14.6.1918, Santo Ângelo/RS, filho de João Marques dos Santos e Matilde Barbosa dos Santos, já falecida. Tiveram 6 filhos. Bonifácia casou em 2ª núpcias em 1920 em Santo Ângelo/RS com Ildemario Antônio de Almeida, n. 4.1.1899, Entre-Ijuís, filho de Bernardino Antônio de Almeida e Umbelina Antunes Barbosa. Os avós paternos de Ildemario foram Luiz Antônio de Almeida e Anna Leite da Silva. Seus avós maternos foram José Garcia Barbosa e Barcelicia Domingues Barbosa.
Bn5. Afonso Barbosa de Lima n. 14.8.1894 e fal. aos 38 anos, em 1º.1.1931, distrito missioneiro de Entre-Ijuís. Casou em 1917 em Santo Ângelo/RS com Guilhermina Moreira Pedroso, n. 5.6.1900, filha de Joaquim Moreira Pedroso e Silvana Roberto Barbosa, moradores no 1º distrito Santo Ângelo. Os avós paternos de Guilhermina foram Joaquim Moreira Pedroso e Isabel Alves Teixeira. Seus avós maternos foram Manoel Roberto Barbosa e Conceição Maria Barbosa.         
Bn6. Maria Barbosa de Lima n. 12/3/1895, Santo Ângelo/RS, onde casou aos 18 anos, em 1912, com Antônio Manoel Rodrigues, n. 1º.4.1874, Santo Ângelo/RS, filho de Bento Manoel Rodrigues e Maria Felícia de Jesus.
Bn7. Rachel Barboza de Lima n. 18.9.1901 no 1º distrito de Santo Ângelo/RS, onde casou em 1922 com Ambrósio Ribeiro da Silva, ali n. 8.12.1892, filho de Manoel Ribeiro da Silva e Felisbina Barboza de Lima. Os avós maternos de Ambrósio foram Bento Barbosa de Lima Filho (fal. 27.11.1896) e Maria Aldina dos Santos.   
Bn8. Alzira Barbosa de Lima n. 18.6.1902 no 1º distrito Santo Ângelo/RS, onde casou em 1927, com Sérgio Rodrigues Corin, n. 15.9.1891, São Martinho, filho de Antônio Rodrigues Corin e Florinda Bueno.
N12. Virginia Maria da Conceição c/c Henrique Gonçalves de Oliveira/Vieira, filho de ........Vieira e Delfina. Pais de:
Bn1. Maria n. 15.7.1896, Santo Ângelo/RS.
Bn2. Silvana n. 2.10.1897, Santo Ângelo/RS.
N13. Rosalino Marques Timbaúva/dos Santos n. 15.10.1869 no 1º distrito Santo Ângelo/RS, onde casou aos 17 com sua sobrinha materna Rosalina Maria Barbosa/da Conceição, fal. 10.6.1925, Santo Ângelo/RS, filha de Manoel Roberto Barbosa e Maria Conceição de Jesus, ambos do RS e moradores de Santo Ângelo. Os avós paternos de Rosalina foram João Braz de Almeida e Bárbara Ferreira Barbosa. Seus avós maternos foram Fermiano Marques dos Santos e Silvana Maria da Conceição. Rosalino casou em 2ª núpcias, em 1925, Santo Ângelo/RS com Sonilda Vieira da Silva, n. 14.4.1903 no 3º distrito Santo Ângelo, filha de Antônio Bento da Silva e Rita Vieira da Rosa, ambos moradores no 7º distrito Santo Ângelo. Houve do primeiro casamento de Rosalino as filhas:
Bn1. Silvana Maria dos Santos, n. 25.8.1890, Santo Ângelo/RS, onde casou em 1907 com Francisco Alves de Oliveira, n. agosto 1888, Guarani das Missões, filho de Félix José Alves de Lima/Oliveira e Maria Alves de Souza. Os avós paternos de Francisco foram José Ramos de Oliveira e Senhorinha Fernandes Penna. Seus avós maternos foram Manoel Nunes Cavalheiro e Ana Maria de Aguiar.
Bn2. Conceição Maria dos Santos n. 12.4.1892, Santo Ângelo/RS, onde casou em 1908 com Felício José de Oliveira, n. 25.8.1889, Santo Ângelo/RS, filho de Felix José Alves de Oliveira e Maria Alves de Souza. Os avós paternos de Felício foram de José Ramos de Oliveira e Senhorinha Fernandes Penna. Seus avós maternos foram Manuel Nunes Cavalheiro e Ana Maria de Aguiar ou Alves de Souza.
Bn3. Malvina Maria dos Santos n. 14.11.1892 (?), Santo Ângelo/RS, onde casou em 1914 com Emilio Alves de Oliveira, n. 4.10.1891, filho de Felix Jose de Lima e Maria Alves de Souza, ambos do RS. Os avós paternos de Emílio foram José Ramos de Oliveira e Senhorinha Fernandes.  Seus avós maternos foram Manoel Nunes Cavalheiro e Ana Maria de Aguiar.
N14. Benta Maria da Conceição c/c Francisco Inácio de Oliveira. Pais de:
Bn1. Floriana Maria da Conceição casou em 1895, Santo Ângelo/RS, com seu primo Antônio Manoel Rodrigues, n. 1.4.1874, Santo Ângelo/RS, filho de Bento Manoel Rodrigues e Maria Felícia da Conceição/de Jesus. Os avós paternos de Antônio Manoel foram Manoel Bento Rodrigues, de Taquari/RS e de Manoela Angélica, de Encruzilhada/RS. Seus avós maternos foram Firmiano Marques dos Santos e Silvana Maria da conceição.     
Bn2. Ana Floriana da Conceição n. Santo Ângelo/RS, onde casou em 1895 com seu primo Manoel Marques dos Santos.
N15. Joana Marques da Conceição/dos Santos, fal. 03.05.1897. Casou com Joaquim Gregório de Oliveira, que fal. 14.2.1892, Santo Ângelo/RS, filho do 1º matrimônio de Espirituosa Maria dos Santos[11] (n. Cruz Alta/RS, onde casou a 2.6.1859) e de Francisco Lourenço de Oliveira, n. Castro/PR e fal. aos 40 anos a 12.07.1871, Santo Ângelo/RS. Os avós maternos de Joaquim Gregório foram Maria Ferreira Barbosa/de Lima[12] (n. Paraná e fal. aos 65 anos, a 18.12.1889, picada por um enxame de marimbondos, Santo Ângelo/RS, filha de Bento Ferreira de Lima e Matilde F. da Candelária) e Miguel Antônio do Valle. Seus avós paternos foram Lourenço Antônio de Oliveira e Antônia Monteiro de Ramos.
F4. ANGÉLICA MARIA DA CONCEIÇÃO, bat. 14/05/1827 em Taquari/RS. Casada em segundas núpcias com Hermenegildo Antônio de Quadros, filho de Antônio de Quadros e Silvana da Conceição de Jesus. Pais de: Brígida, n. 10.08.1857 em São Francisco de Assis e Francisco de Quadros, n. 27.08.1859 em São Francisco de Assis.
F5. FELISBERTO JOSÉ (BENTO) RODRIGUES, n. 1833. Em 1858 estava casado com Maria de Souza Machado, n. São Francisco de Assis, filha de Antônio de Souza Machado e Rosa Jacinta Pereira, pais de: Luiza, n. 16.09.1860 em São Francisco de Assis.
F6. JÚLIA MARIA DA CONCEIÇÃO, n. 08/05/1832 em Taquari/RS. Casou (1x) com Caetano Antônio Fernandes, fal. São Borja. Pais de: Júlio Antônio Fernandes (n. 1857, casou aos 26.03.1889 em Santiago com Ângela Fernandes de Mello, filha de João da Costa Mello e de Ana Vieira de Freitas);  Caetano Antônio Fernandes (n. 1858, c/c Arminda de Vargas Borges) e Florisbela Maria da Conceição (n. 1862, casou aos 09.101882 em Santiago com Francisco José Rodrigues, n. 05.10.1860 em Itaqui, filho de Jose Bento Rodrigues e Flaubiana Maria). Júlia casou (2x) a 04.07.1870 em São Francisco de Assis com Agostinho Guieto, italiano.
F7. BENTO JOSÉ RODRIGUES, n. 1834. Em 1858, solteiro.
F8. ANTÔNIO JOSÉ (BENTO) RODRIGUES, n. 1836. Casou a 1º.7.1862 em São Francisco de Assis com Maria Aldina Correia, n. Itaqui, filha de Joaquim Machado e Maria Francisca Correia de Lemos, ambos de São Francisco de Assis.
F9. JOÃO BENTO RODRIGUES (foco da pesquisa de Giancarlo Zeni) n.  1839 em Taquari (no batismo: João José) e fal. 1893, Santiago/RS. Casou em Itaqui/RS com Josefa Alves de Campos, bat. a 7.10.1846 em São Borja/RS e fal. Santiago/RS, filha de Joaquim Alves de Almeida Campos e Maria Leite. Pais de 8 filhos: Virginia, Leôncio Bento, Maria José, Idalina, Germano, Francisco Bento, Virgílio Bento e Vangelino.
Lemos no blog do genealogista Giancarlo Zeni, ao se referir ao ancestral João Bento o seguinte: Republicano histórico e maragato, combateu e morreu durante a Revolução Federalista, em 1893. Em 1923 e 1929, seu sobrinho, o Coronel Hortêncio Rodrigues, que havia pegado em armas ao seu lado em 93, liderou a Coluna Revolucionária de São Francisco de Assis. (disponível em: http://gzeni.blogspot.com.br/2008/02/ancestrais-de-joo-bento-rodrigues.html).
Pais de:
N1. Virginia, n. 12.10.1874, bat. 30.12.1874, São Francisco de Assis/RS e já fal. em 1899. Casou a 16.1.1891 em Santiago do Boqueirão com Camilo José Pereira, n. 1868, filho de Jacinto José Pereira e Josefa Maria dos Santos. Camilo casou em segundas núpcias em Santiago aos 21.09.1899 com Idalina Alves Rodrigues, filha de José Bento Rodrigues e Josefa Alves de Campos. Deste segundo casamento Camilo teve os filhos Lauro Rodrigues Pereira e Eduwiges Alves Pereira.
N2. Leôncio Bento Rodrigues, n. 1866. Casou a 20.08.1890 em Santiago com Isabel dos Santos, n. 1865, filha de Jacinto José Pereira e Josefa Maria dos Santos.
N3. Maria José Alves de Campos, bat. 12.06.1872 em São Francisco de Assis, onde casou a 03.01.1886 com Frederico Guilherme Schmitz, n. 23/05/1863 em São Francisco de Assis/RS, filho de Felipe Leonardo Schmitt e Maria Madalena Haigert.
N4. Idalina n. 30.9.1880 e bat. 22.10.1881, Santiago/RS, onde fal. 03.09.1938.
N5. Germano n. 26.12.1/883, bat. 22.3.1884, Santiago/RS.
N6. Francisco Bento Rodrigues bat. aos 10 anos, a 20.1.1896 em Santiago/RS.
N7. Salustiano n. 4.3.1887, bat. 27.4.1890, Santiago/RS.
N8. Virgílio Bento Rodrigues
N9. Vangelino Alves Rodrigues, n. 05.10.1892 e fal. 1º.9.1943.
N10. Floriana, n. 27.04.1889, Santiago do Boqueirão.
F10. FERMIANA (OU FIRMIANA) MARIA DA CONCEIÇÃO, bat. 10/11/1816 em Taquari e fal. em 1858 em São Borja. Casou a 21.05.1837 em São Borja com Silvestre Pereira da Luz, n. Santo Antônio da Patrulha a 24.12.1800 e fal. em julho 1851, São Francisco de Assis, distrito de São Borja/RS, filho de José Pereira da Luz[13] (fal. em torno de 1864 em Itaqui/RS) e Ana Joaquina da Conceição (fal. 04.07.1861 em São Borja/RS). Pais de 11 filhos: Fermiana, Antônio, Maria Eusébia, Ana, Alexandre, Silvestre, Manoela, Chrispim, Fermiano, Manoel Antônio e Maria da Conceição.
N1. Fermiana Maria da Conceição c/c Bento Fabiano de Campos ou Bento Antônio de Campos. Em 1858 estavam ausentes.        
N2. Antônio Pereira da Luz, n. 1840 e fal. 9.2.1900 em Santo Ângelo/RS. Casou a 09.09.1868 em São Francisco de Assis/RS com Maria Vitorina/Vitalina de Souza, com 42 anos em 1892, n. Santo Ângelo, viúva de João Batista Nunes, filha de Emílio José de Souza e Gertrudes Maria de Ramos. Pais de 8 filhos: Silvestre, Vitalina, Florinda, Antônio, Cristiano, Claudino, Hortêncio e Francisco.
Bn1. Silvestre Pereira da Luz Sobrinho c/c Eduarda Rodrigues da Silva.
Bn2. Vitalina Pereira da Luz c/c João Batista dos Santos.
Bn3. Florinda Pereira da Luz c/c Hermógenes Schwaltz.
Bn4. Antônio Pereira da Luz Filho
Bn5. Cristiano Pereira da Luz casou aos 17 anos, a 2.8.1904 em Santo Ângelo/RS, com Ana Rodrigues da Silva, 20 anos, filha de Bernardo Rodrigues da Silva e Maria Lopes da Silva. Os avós paternos de Setembrina foram Guilherme Cavalheiro do Amaral e Manoela Castilho do Amaral. Seus avós maternos foram Vitoriano Antônio de Castilhos e Maria Antônia.                    
Bn6. Claudino Pereira da Luz n. 10.9.1889 em Santo Ângelo/RS c/c Jacinta de Oliveira Fortes.
Bn7. Hortêncio Pereira da Luz n. 5.4.1892 em Santo Ângelo/RS. Casou a 10.2.1910 em Giruá, então distrito de Santo Ângelo/RS, com Amália Custodia Ribeiro, 20 anos, filha natural de Isabel Maria Ribeiro.
Bn8. Francisco Pereira da Luz (não citado no inventário do pai) c/c Rita Maria da Conceição, moradores no 1º distrito de Santo Ângelo.
N3. Maria Eusébia da Luz casou ou uniu-se com Antônio Pereira da Silva[14] e/ou Antônio Marçal, n. Sorocaba/SP, com quem teve a filha Firmina.
Bn1. Firmina n. 1856 e bat. 14.11.1857, São Francisco de Assis/RS. 
N4. Ana Pereira da Luz/da Conceição/de Jesus c/c Manoel Francisco da Rosa.
N5. Alexandre Pereira da Luz c/c Maria Francisca do Prado/de Jesus, filha de Francisco do Prado e Clementina Maria dos Santos. Pais de 12 filhos: Sebastião, Gertrudes, Rosa, Adelaide, Venâncio, Januária, Maria, Praxedes, Antônio, Isabel, Fermiana e Alexandre.
Bn1. Sebastião Pereira da Luz n. 20.1.1893 em Santo Ângelo/RS, c/c Maria Ribeiro
Bn2. Gertrudes Pereira do Prado c/c Ermelino Gonçalves de Oliveira, filho de Inácio dos Santos e Leonida Florisbela de Feitas.
Bn3. Rosa Pereira da Luz casou aos 22 anos, a 8.9.1905 em Santo Ângelo/RS com João Custódio Ribeiro, então com 23 anos, filho de Claudino Custodio Ribeiro e Laurinda Alves.
Bn4. Adelaide Pereira da Luz casou 28.10.1908 em Santo Ângelo/RS, com Juvenal Roberto Barbosa, filho de Manoel Roberto Barbosa e Conceição Maria Barbosa.
Bn5. Venâncio Pereira da Luz
Bn6. Januária Pereira da Luz c/c Benedito Alves de Miranda, filho de Laurindo Brito de Miranda e Maria Joaquina Bueno.
Bn7. Maria Pereira da Luz c/c Amaro Britto de Miranda.
Bn8. Praxedes Pereira da Luz faleceu solteira aos 24 anos, a 10.12.1913, Santo Ângelo/RS.
Bn9. Antônio Pereira da Luz casou a 31.10.1903 em Santo Ângelo/RS com Maria Luiza Grass, n. 3.2.1881/1882 em Santo Ângelo/RS, filha de Cristiano Grass (n. 25.4.1871 em Santo Ângelo/RS e falecido a 14.9.1912) e Veneranda do Prado. Os avós paternos de Maria Luiza foram Carlos Frederico Krass (fal. 6.5.1900 em Santo Ângelo/RS) e Maria Eva Hoffmann. Seus avós maternos foram Francisco do Prado, solteiro e Clementina Maria dos Santos/ Maria da Conceição, também solteira.
Bn10. Isabel Pereira da Luz
Bn11. Fermiana Pereira da Luz, fal. 27.10.1903, Santo Ângelo/RS, c/c Oliverio Rodrigues Valença, filho de Leopoldino Rodrigues Valença e Clarinda Ferreira Ramos.          
Bn12. Alexandre Pereira da Luz Filho n. 11.2.1890 em Santo Ângelo/RS.
N6. Silvestre Pereira da Luz
N7. Manoela Maria de Jesus/Pereira da Luz casou a 23.2.1869 em São Francisco de Assis/RS com José Bento Rodrigues Jr., filho de José Bento Rodrigues e Flaubiana Maria da Conceição.
N8. Chrispim Pereira da Luz n. 19.7.1849 em São Borja/RS. Casou a 12.10.1868 em Santo Ângelo/RS com Florisbela Maria de Souza, viúva de Antônio Pinto Soares. Pais de:
Bn1.  Fermiana Soares de Souza casou aos 24 anos a 3.12.1908 em Santo Ângelo/RS com João Maria dos Santos, 36 anos, filho de Manoel Antônio Machado e Inocência  Maria do Nascimento.
Bn2. Quintina Soares de Souza teve filhos com João Thomaz de Campos, filho de Joaquim Antônio de Campos e Maria Inácia de Camargo, filha de Crispim Pereira da Luz e Florisbela Soares de Souza. Os avós paternos de João Thomaz foram Silvestre Pereira da Luz e Fermiana Maria de Jesus
N9. Fermiano Pereira da Luz c/c Florinda Inácia de Oliveira, filha de Inácio de Oliveira Santos e Leonida Florisbela Freitas. Pais de:
Bn1. Antônio Pereira da Luz casou aos 24 anos, a 3.3.1899 em Santo Ângelo/RS com Antônia Angélica, 23 anos, filha de João Rodrigues da Silva e Cândida Angélica da Silva.
Bn2. Bento Pereira da Luz casou aos 26 anos, em 3.3.1914, Santo Ângelo/RS, com Maria Taudelina Braga, n. 6.9.1894 em Santo Ângelo/RS filha de Francisco Ferreira Braga (n. 2.9.1858, bat. 13.10.1858 em Santo Cristo/Santo Ângelo/RS e fal. 22.10.1924) e Clementina Vieira/de Oliveira. Os avós paternos de Maria Taudelina foram João Ferreira Braga e Ana Ferreira Barbosa. Seus avós maternos foram José Vieira Gonçalves e Albina Oliveira.
Bn3. Alexandre Pereira da Luz n. 30.6.1891 em Santo Ângelo/RS (Restinga Seca).
N10. Manoel Antônio de Vargas
N11. Maria da Conceição
F11. MARIA DA CONCEIÇÃO, em 1858 já era falecida, casada com Antônio Marçal, e pais de uma única filha de nome Firmina Ana Marçal, com 2 anos em 1858, depois casada com Manuel Francisco da Rosa.

Fontes:
- Arquivo Histórico da Diocese de Santo Ângelo: livros de batismo, matrimônios e óbitos de Santo Ângelo, Guarani das Missões e Giruá.
- Arquivos pessoais de Diego de Leão Pufal, Elisabeth Berté da Cruz, Giancarlo Zeni (este disponível em http://gzeni.blogspot.com.br/2008/02/ancestrais-de-joo-bento-rodrigues.html, com acesso em outubro de 2017) e Ricardo Giacomoni Brum.
- Microfilmes da igreja dos mórmons (familysearch) do registro civil e da igreja católica de Santo Ângelo, Santiago, São Borja e São Francisco de Assis.



NOTAS:
[1] Francisco Joaquim Lemos (fal. aos 78 anos em 4.7.1911, 1º distrito de Santo Ângelo) e Ana Joaquina foram pais de:
1. Rosalina Joaquina Lemos c/c João de Paula Teixeira
2. Maria Lemes de Miranda c/c Cláudio de Brito Miranda
3. Bertoldo Lemos
4. Glória Lemos de Moraes c/c Antônio Arruda de Moraes.
5. Ursulino Lemos c/c Lídia Licht.
6. Guilhermina Lemos c/c Felipe Andala Boas.
7.  Raimunda Lemos de Oliveira c/c Antônio Lopes de Oliveira.
8. Generosa Lemos dos Santos c/c Fulgêncio Marques dos Santos.
9. Victor Lemos c/c Francisca Zimmermann Rieth e Celanir Bernardo Hamburgo.
10. Donatilla Lemos
[2] Carlos Grass (Carl Friedrich Krass) e Maria Eva foram pais, de no mínimo:
1. Florência Grass c/c Alf. Marcolino Procópio de Castro Ribas.
2. Maria Cristina Krass (dúvida)
3. Leopolda/Leopoldina Grass teve filhos com José Padilha de Oliveira.
4. Maria Luísa Grass c/c João Henrique Druck Licht.
5. Felisbina Grass c/c João Augusto de Carvalho.
6. Emília Grass c/c Jacob Kaipper.
7. Idalina Grass (dúvida)
8.  Christiana Grass c/c Adolpho Kaipper.
10. Cristiano Grass c/c Veneranda do Prado.
11. Luísa Grass
12. Josephina/Josepha Grass c/c Frederico Ritterbusch.
13. Carlos Cecílio Grass c/c Maria Januária Furtado.
14. Henrique Grass c/c Concórdia Albrecht.
15. Rosalina Grass (dúvida) c/c Fidêncio Rots.
16. Christiano Grass c/c Veneranda do Prado.
[3] Joaquim e Isabel tiveram 4 filhos localizados:
1. Clementino Moreira Pedroso c/c Maria da Conceição Barbosa.
2. Joaquim Moreira Pedroso c/c Silvana Roberto Barbosa.
3. Guilhermina Moreira Pedroso c/c Afonso Barbosa de Lima.
4. Maurícia Moreira Pedroso c/c Clemente Medrano.
[4] Ângelo Rodrigues de Paula e Florisbela Maria de Jesus foram pais:
1. Ângelo e Florisbela foram pais de:
2. Maria Cândida de Jesus/de Paula c/c Ângelo da Costa Leite.
4. Ângelo Rodrigues de Paula Filho c/c Luísa Maria da Rosa.
5. Ana c/c Wenceslau de Paula e Silva, moradores em S Lourenço.
6. Generosa Maria de Jesus c/c João Teixeira Machado.
7. Rosa Marcelina Rodrigues de Paula/de Jesus c/c Vicente Marcelino da Rosa.
8. Silvério Rodrigues de Paula c/c Paulina Alves Teixeira.
9. Serafim Rodrigues de Paula
10. José Rodrigues de Paula c/c Antônia Jacinta da Silva.
11. Manoel Rodrigues de Paula
12. Joaquim Rodrigues de Paula c/c Ana Teixeira de Deus.
[5] Alexandre Pereira da Luz e Maria Francisca do Prado tiveram os filhos:
1. Sebastião Pereira da Luz c/c Maria Ribeiro.
2. Gertrudes Pereira do Prado c/c Ermelino Gonçalves de Oliveira, filho de Inácio dos Santos e Leonida Florisbela de Feitas.
3. Rosa Pereira da Luz c/c João Custódio Ribeiro.
4. Adelaide Pereira da Luz c/c Juvenal Roberto Barbosa, filho de Manoel Roberto Barbosa e Conceição Maria Barbosa.
5. Venâncio                                              
6. Januária Pereira da Luz c/c Benedito Alves de Miranda, filho de Laurindo Brito de Miranda e Maria Joaquina Bueno.
7. Maria Pereira da Luz c/c Amaro Britto de Miranda.
8. Praxedes Pereira da Luz faleceu solteira.
9. Antônio Pereira da Luz c/c Maria Luiza Grass.
10. Isabel Pereira da Luz.
11. Fermiana Pereira da Luz c/c Oliverio de tal.
12. Alexandre Pereira da Luz Filho.
[6] Francisco do Prado, solteiro, teve filhos com Clementina Maria dos Santos, também solteira:
1. Francisca do Prado c/c Antônio Antunes de Aguiar.
2. Maria (Francisca) do Prado c/c Alexandre Pereira da Luz.
3. João Hamburgo do Prado c/c Leandrina C. de Oliveira.
4. Veneranda Grass do Prado c/c Cristiano Grass.
5. Mariano Leão do Prado c/c Honorina de Oliveira Ribas, filha de José Antunes Ribas e Maria da Conceição Pimenta.
[7] João de Paula e Rosalina foram pais de:
1. Carolina de Paula Teixeira c/c Frutuoso Roberto Barbosa.
2. Arlinda de Paula Teixeira c/c Laudelino de Oliveira Gonçalves.
3. Ana de Paula Teixeira c/c Ângelo pereira Garcia.
4. Ernesto de Paula Teixeira
[8] João Faustino e Ana foram pais:
1. Maria Faustina da Silva c/c Fermiano Marques dos Santos, filho de Fermiano Marques dos Santos e Silvana Maria da Conceição.
2. Francisca Corrêa de Andrades c/c Justino Correia de Andrade, filho de Manoel Corrêa de Andrade e Maria Angélica de Jesus.
[9] Ver Fam Barbosa de Lima
[10] Bonifácia casa em 2ª núpcias, 1920, Santo Ângelo/RS com Ildemario Antônio de Almeida.
[11] Espirituosa Maria dos Santos faleceu em 3.5.1897, na Atafona, em Santo Ângelo/RS.
Com Felisberto dos Santos Espirituosa teve a filha natural:
1. Francisca Hyginio dos Santos.
Espirituosa casou em 1º matrimônio com Francisco Lourenço de Oliveira com quem teve 4 filhos.
2. Raquel Leonarda de Oliveira
3. Maria da Gloria de Oliveira
4. Felisberta Maria dos Santos c/c Mariano José dos Santos.
5. Joaquim Gregório de Oliveira c/c Joana Marques dos Santos.
Espirituosa casou em 2ª núpcias com Geraldo Alves Carneiro, com quem terá outras 3 filhas.
6. Auta Alves dos Santos c/c João Batista de Brito.
7. Florimunda Alves dos Santos c/c Júlio (Antônio) da Silva Barbosa
8. Eulina Alves dos Santos c/c João Melchior da Silva
[12] Veja neste blog a família de Bento Barbosa de Lima.
    Maria Ferreira Barbosa/Lima casou ou teve com Fermiano Marques dos Santos a filha Espirituosa. Com Miguel Antônio do Valle, ela não teve filhos.
[13] Por ocasião do inventário de Ana Joaquina da Conceição, seu marido José Pereira da Luz estava ausente para Porto Alegre, há mais de 16 anos.
Ana Joaquina e José foram pais:
1. Albino Pereira da Luz (c/c Firmina Maria da Conceição?).
2. João Pereira da Luz
3. Manoel Pereira da Luz c/c Maria Custódia Lopes.
4. Maria Florinda da Conceição c/c Boaventura Ferreira Guimarães.
5. Florisbela Inácia da Conceição c/c João Ignácio Rodrigues.
6. Silvino ou Silvestre Pereira da Luz c/c Fermiana Maria de Jesus.
7. Felisberto Pereira da Luz.
[14] Antônio Pereira da Silva casou em 2º matrimônio com Clara Horácia Pires.